Mercado do Ovo

Informativo

Importações de soja e milho: Analista da Agrinvest detalha os cálculos e mostra inviabilidade.

19/10/2020

O analista de mercado Marcos Araújo, da Agrinvest Commodities, abriu e detalhou os cálculos das possíveis importações de soja e milho pelo Brasil dos Estados Unidos e da Argentina, depois da decisão do governo de zerar a TEC para as compras externas para ambos os produtos até o 1º trimestre de 2021. 

Araújo mostra, em detalhes, que as importações não são viáveis neste momento, principalmente diante do atual quadro cambial do Brasil e do cenário global de oferta, que é bastante escassa, diante de uma demanda bastante crescente. 

Nem mesmo o efeito psicológico começou a ser observado no mercado nacional. Mesmo com a medida qe poderia incentivar as importações brasileiras, os futuros do milho negociados na B3 - o mercado futuro nacional - subiram mais de 3% somente nesta segunda-feira (19), com o maio/21 liderando as altas e subindo 4,2%. Os primeiros vencimentos chegaram a superar os R$ 78,00 por saca. 

"A importação de milho pelo Brasil só faria sentido se o milho, no interior, superasse os R$ 90,00, por exemplo, em Maringá/PR", explica o analista da Agrinvest. E isso sem contar os encargos de PIS/Cofins (9,25%) e de ICMS (12%). Assim, no comparativo da consultoria para o milho importado seriam - valores sobre rodas (FCA) porto entre as origens - R$ 77,00 por saca Brasil; R$ 84,54 Argentina e R$ 84,04 Estados Unidos. 

Importações de Milho - Cálculos Agrinvest

Além disso, Marcos Araújo explica que há uma conjunção de fatores que motiva e sustenta as altas fortes do milho. "O milho está alto porque temos uma disparada dos preços das carnes (no Brasil e no mundo), melhora dos preços no mercado internacional, condições adversas (e menor oferta) na China, na Europa, na região do Mar Negro e na China e isso tudo alinhado com um dólar alto", diz. 

Mais do que isso, o analista lembra ainda que há elevado percentual do milho brasileiro já comprometido com a comercialização, seja para exportação ou demanda interna. 

Para a soja, além de fatores semelhantes - uma vez que a oferta global é bastante escassa, o que já é conhecido pelo mercado, e tem influência do dólar valorizado frente ao real - as importações não compensam dados os atuais valores de farelo e óleo de soja. 

"As contas ficam negativas. Baseado no preço da soja importada e no preço de exportação do farelo e óleo de soja, torna-se inviável para indústria importar", explica Araújo.

Importações de Soja - Cálculos Agrinvest

De acordo com os cálculos e projeções da Agrinvest Commdoties, o Brasil poderia importar de 1 a 1,5 milhão de toneladas no ano comercial que se encerra em janeiro de 2021 e entre 700 mil e 1 milhão de toneladas de soja até dezembro deste ano. 

Fonte: Notícias Agrícolas

 


Comentários


Ainda não temos nada digitado.. -

Comentários (0)


Mercado do Ovo - Todos os Direitos Reservados Contatos - Publicidade